April 23, 2017

Um SENÃO com 45cm

ASSOCIAÇÃO SALVADOR preparou um Manual para Pessoas com Deficiência Motora. Mais uma iniciativa que todos devemos aplaudir e que muito vai ajudar a comunidade de pessoas com Deficiência Motora.

Contudo, há um SENÃO… um senão a 45cm do chão!?


     No capítulo,

     indica-se:

Casas de banho - (...) sanita (...) com uma altura do piso até ao bordo superior do assento de 45cm



São muitos e diversos os relatos relativos ao insucesso 
do uso dos sanitários instalados a 45cm do chão.
O EQUILÍBRIO não é possível.

Ao usar um sanitário, um paraplégico deve ter a possibilidade de se sentar em equilíbrio. O assento do sanitário a uma altura de 45cm do piso impossibilita que o equilíbrio seja conseguido uma vez que os pés não chegam ao chão de forma equilibrada e firme. Qualquer altura superior a 38cm (altura normal de um sanitário comum) inviabiliza o uso do equipamento de forma eficaz e em condições de segurança. Para quem, eventualmente, necessite da sanita mais alta, pode utilizar um alteador de sanita, um acessório portátil adequado para o efeito. O contrário já não é possível porque baixar a altura do sanitário já colocado, não é uma possibilidade viável. Também, a instalação de sanitários com abertura frontal, equipamentos cada vez mais comuns, acrescenta ainda mais dificuldades a somar aos 45cm de altura do sanitário ao chão. Há quem afirme que são os mais adequados mas de facto são um 'quebra-cabeças' ainda por cima com um custo muito superior aos sanitários normais. Curioso! Este tipo de sanitários com abertura frontal só deve ser usado em instalações hospitalares e apenas nos espaços em que o deficiente está acompanhado por um auxiliar, devido à eventual necessidade de ajuda para lavar as partes ‘mais íntimas’. Relativamente às barras laterais de apoio ao sanitário, no caso de um paraplégico, estas devem estar à altura dos quadris, se considerarmos como referência a posição de sentado no sanitário. A força que o deficiente tem que fazer para passar do sanitário para a cadeira de rodas, combinada com o equilíbrio que tem que garantir, é mais eficaz quando a barra está à altura dos quadris, uma vez que o movimento e a força são otimizados. Fazer força de cima para baixo numa barra que esteja à altura dos ombros (tomando mais uma vez como referência a posição de sentado num sanitário a 38cm do chão) é um movimento difícil, improdutivo e inseguro.

SANITÁRIOS DISFUNCIONAIS... barras laterais muito elevadas, altura do piso ao assento com 45cm ou mais,
abertura frontal contraproducente e lavatório com barra inferior que inviabiliza o acesso da cadeira ao mesmo.
Alguns exemplos de WCs que criam dificuldades, em diversos espaços de uso público em Portugal


O que parece que está a acontecer é que os WCs para deficientes que começam a surgir um pouco por todo o lado, não estão adaptados para quem se desloca em cadeira de rodas, nomeadamente para paraplégicos. Parece serem equipamentos para pessoas com mobilidade reduzida, sem dúvida, mas que não se deslocam em cadeira de rodas e que de alguma forma conseguem estar de pé. Daí a altura das barras, a altura do sanitário (45cm do chão) e o estranho caso da abertura frontal dos sanitários muitas vezes disponíveis em WCs de hotéis, restaurantes, centros comerciais, áreas públicas, etc. Em resumo, os que têm mais dificuldades motoras resultantes de uma paraplegia ou tetraplegia, vêm agora as suas dificuldades exponencialmente aumentadas e na maioria dos casos constata-se que os equipamentos instalados são inúteis, isto é, impossíveis de usar. É como se não existissem.


Pés bem assentes no chão: 
CORRECTO 








Barra lateral à altura dos quadris: 
FACILITA










Sanitário sem abertura frontal, com o assento a uma altura normal do chão: 
EFICAZ












Com o equipamento essencial, sem obstáculos gratuitos, disponibilizado correctamente. 
EFICIENTE










Relacionados: 


Conheça a Associação Salvador


Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com

April 20, 2017

Arte Acessível

A Fundação Calouste Gulbenkian: Museu Gulbenkian, Música e Jardim, são espaços inclusivos. Aproveite um dia dedicado às famílias com crianças, jovens e adultos com necessidades educativas especiais. 

Um conjunto de propostas artísticas para serem tocadas.





Já dizia Picasso que “para começar a desenhar devemos primeiro fechar os olhos”. Será que consigo desenhar aquilo que imagino?
Saiba mais... clique na imagem


Brincar! É algo que todos fazemos.
Mas será que toda a gente brinca da mesma maneira? E terá sido sempre assim?
Saiba mais... clique na imagem


Como pode um DJ ajudar na criação de determinados ambientes?
A atividade tem por objetivo compreender como a música e o ambiente interagem com as pessoas e podem criar diferentes estados de espírito.
Saiba mais... clique na imagem


As nossas experiências multissensoriais, reforçadas com momentos de expressão corporal, permitirão que nos aproximemos do mundo vegetal ao mesmo tempo que trabalhamos as emoções e a abertura relacional com os outros, despertando a consciência de um “eu” que habita um mundo encantador…
Saiba mais... clique na imagem


Vamos mostrar como o circo pode ser um espaço de inclusão ao alcance de todos! Tens coragem de experimentar? Anda daí! Temos voos extraordinários para toda a família.
Saiba mais... clique na imagem


Começar a fuga ao cardume e rebanho social, do coletivo, do comportamento imposto, da civilização robotizada, do digital sem tato pelo outro, abraçar, existir
Saiba mais... clique na imagem


Visitas dançadas com o corpo pensadas.
O corpo vê, sente, observa e interpreta. Cores, linhas e formas saem das obras e transformam o nosso movimentar.
Saiba mais... clique na imagem




Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com