December 31, 2015

Votos de um 2016 mais ACESSÍVEL


Os ‘posts’ mais acedidos desde o lançamento do Blog


50.944: Quanto vale a PALAVRA de um Presidente de Câmara? - Se não tencionas cumprir um compromisso, não sejas demagogo...

44.500: Pedras em que tropeçamos - Quando perdemos o direito de ‘andar por aí’ perdemos o privilégio de sermos livres...

43.872: Mãe... GOSTO de ti - Não perca os próximos 2 minutos e 29 segundos...

34.200: O “ALGODÃO não engana - Sem ASSENTO Parlamentar….

22.400: A cor dos meus sapatos - O nosso ARAME FARPADO...

19.200: 1093 Km Horizontais - O sol nasce, as bicicletas circulam, o galo canta e as pessoas com mobilidade reduzida começam a acreditar que mais dia, menos dia, têm a possibilidade de passear por Lisboa...

16.600: Perseverança - “Perseverança não é uma corrida longa, são muitas corridas curtas, uma após a outra”… Walter Elliot

15.100: Complicamos e EXCLUÍMOS - Preciso de encontrar novos caminhos e preciso disso agora…

11.400: Entender o AUTISMO - Não nos devemos assustar com realidades diferentes da norma… a vida complementa-se com a diferença…

  6.400: 61-CP-62 - Mais um idiota profundo….

  6.400: Prisão domiciliária sem pulseiraeletrónica - Porque que é que continuas na prisão se a porta está completamente aberta...

  6.300: Mentalidade DEFICIENTE - Nunca é tarde demais para reavaliarmos as nossas opções…

  4.592: Uma ideia ‘smart’ - Uma das vocações do homem é criar…

  3.892: Mais um obstáculo ‘GRATUITO’ - Para compreender os paradoxos é preciso ser inteligente, mas para segui-los é preciso ser-se burro!?

  3.502: O caminho das pedras - Digam ao 'GÉNIO' que em Portugal ainda não se levantaram as barreiras!

  2.899: Ribeira dos Calhaus - Quando os arquitetos falam com as pedras… estamos perdidos!? Ao que se sabe, cada vez têm mais CALHAUS como Amigos!?

   2.846: Quase tudo - O impossível está a um passo da nossa superação. Muitas vezes temos que ser capazes de nos reinventar... o desporto sustenta esse paradigma...

   2.846: Simples - A raça, a religião, o género, a orientação sexual, a deficiência ou qualquer outro tipo de especificidade pessoal não deve conduzir ninguém à exclusão...

   2.628: Pisos que falam - 9:21m de uma viagem extraordinária… é improvável não querer acompanhar até ao fim…

   2.034: Perdidos e Achados - Ninguém consegue mudar o passado mas podemos tentar criar ‘novos futuros’…




A temática da ACESSIBILIDADE tem vindo a ganhar cada vez mais notoriedade 
na nossa agenda quotidiana.

Obrigado a todos pelos acessos e partilhas. 





Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com

December 22, 2015

O Sapatinho do Minuto Acessível



Antes de tudo o mais, o Minuto Acessível deseja a todos um FELIZ NATAL e um 2016 mais Acessível.

Já ultrapassamos os 18600 Likes no facebook. Há um ano tínhamos chegado aos 9500 Likes. Um crescimento superior a 96% que se deve a todos vós.

Agora… uma boa prenda para o Minuto Acessível seria enviar uns convites aos amigos para gostarem da página… e, já agora, um visita ao centro de tudo… o Blogue Minuto Acessível.



2015: TOP 10 em visualizações 



BOM NATAL








Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com

December 14, 2015

‘anda lisboa’


(...) porque numa Cidade, o direito a andar em segurança é possivelmente o primeiro dos direitos, vamos acelerar a execução do Plano de Acessibilidade Pedonal, com soluções que permitam circular nos passeios e atravessar ruas em segurança (…) porque todos, e em particular os mais velhos, têm um direito a não ter medo de sair à rua e a andar nela com alegria (…) considerou Fernando Medina quando tomou posse como o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa.


Entre a casa de Nemésia Cunha e Manuel Rodrigues e a paragem do autocarro, a distância é curta. O caminho, que fazem todos os dias, é mais fácil para ele, que tem 67 anos, do que para ela, que conta 81. 

No chão da Rua de Campolide, em Lisboa, onde vivem, carreiras irregulares de pedras com espaçamentos de centímetros vão provocando o balanço e, às vezes, o tombo. Para contornarem os obstáculos, apoiam-se nas paredes dos prédios e passam para a berma da estrada. Os cinco minutos necessários para o trajeto duplicam. "Ainda há pouco tempo caí aqui mesmo e magoei-me", conta Manuel, apontando para um buraco e para as pedras soltas amontoadas no passeio. Quando, no fim do ano, a calçada portuguesa tiver sido substituída por outro tipo de pavimento, Nemésia e Manuel garantem que vão sentir-se mais seguros in Expresso, Carolina Reis.


Lisboa está a ‘mudar de carpete’. Os pisos dos passeios que agora começaram a ser colocados em algumas ruas da cidade são, certamente, uma mais-valia para todos. Parece que estará a acabar o ‘tabu’ sobre a calçada, o mais típico pavimento português que desde sempre e sem qualquer critério tem sido usado para a pavimentação de todos os passeios. Finalmente, em nome da acessibilidade, estes passeios podem estar a chegar ao fim. 


Diogo Martinsque simboliza o empenho do trabalho em equipa, e Fernando Medina, o atual Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, que parece querer uma cidade inclusiva


Com o contributo de uma EQUIPA EMPENHADA e com o compromisso do atual Presidente da Câmara, é possível considerar, com um otimismo moderado, que em poucos anos a cidade se torne amiga dos peões e, necessariamente, mais amiga de todas as pessoas com Mobilidade Reduzida. A inclusão é um valor que deve ser propagandeado e ativado em tudo o que fazemos. Não é aceitável que se repitam os erros cometidos pelo anterior Presidente da CML, António Costa, quando permitiu que se implementasse na Ribeira das Naus um projeto de arquitetura urbana que exclui quase todos os Portugueses com dificuldades de locomoção. O piso em PEDRA é e será sempre o inimigo público Nº1.




O Presidente da Câmara, Fernando Medina, na primeira linha das obras, evidencia o compromisso com a comunidade e com o Sec.XXI







 ‘Umas das surpresas mais agradáveis que podemos encontrar ao nos comprometer totalmente com algum projecto específico é que surgem forças e oportunidades que não houvéramos imaginado até então’




Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com

December 12, 2015

61-CP-62


Quando se é confrontado com carros estacionados em cima do passeio, resumindo a zero a mobilidade de quem tem dificuldades de locomoção, fica-se com uma vontade súbita de se ser Grafitter de automóveis!?… Interferirem com a liberdade dos "outros", desta forma gratuita, é no mínimo arriscado.











Relacionados:



Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com

December 9, 2015

Novo logotipo de ACESSIBILIDADE


O alcance global deste logotipo é transmitido por um círculo, com a figura simétrica conectado para representar uma harmonia entre os seres humanos em sociedade. Esta figura humana universal com os braços abertos simboliza inclusão para as pessoas de todos os níveis, em todos os lugares. A imagem batizada de “a Acessibilidade” simboliza a esperança e a igualdade para todos.

O logotipo de acessibilidade foi criado para representar a acessibilidade para pessoas com deficiência. Isso inclui a acessibilidade à informação, serviços, tecnologias de comunicação, bem como o acesso físico. O novo símbolo deve ser usado para indicar tudo o que é ‘amigável às pessoas com deficiência’ ou acessível.

A logomarca foi criada pelo Departamento de Informações Públicas da Organização das Nações Unidas, em Nova Iorque, para aumentar a consciência sobre o universo da pessoa com deficiência.




Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com

December 3, 2015

Visibilidade e ‘Empowerment’

O Dia Internacional das Pessoas com Deficiência comemora-se anualmente a 3 de dezembro. Esta celebração realiza-se desde 1998, ano em que a Organização das Nações Unidas avançou com a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência.

Entre muitos problemas associados à deficiência, a ACESSIBILIDADE é uma questão transversal a todos. A acessibilidade pode ser definida como a capacidade do meio de proporcionar a todos uma igual oportunidade de uso, de uma forma direta, imediata, permanente e o mais autónoma possível.

A experiência demonstra que os espaços, edifícios e serviços acessíveis são, por regra, mais funcionais, mais seguros e mais confortáveis para todos os utilizadores. A acessibilidade é, por isso, um fator objetivo de qualidade, e a sua promoção deve ser vista como uma oportunidade de qualificação. Em Portugal existe legislação adequada mas o seu incumprimento é recorrente.

Recentemente, a eleição de um deputado com Mobilidade Reduzida para a Assembleia daRepublica, evidenciou que nem na casa onde a legislação é produzida se cumprem as normas. Os mesmos deputados que em 2006 legislaram, através do Decreto-Lein.º 163/2006,de 8 de agosto, que veio revogar o Decreto-Lei nº123/97, de 22 demaio, com o objetivo de precisar melhor alguns aspetos que não facilitavam a cabal aplicação do diploma, para além de alargar as Normas Técnicas de Acessibilidade também aos edifícios habitacionais, foram os primeiros a fazer ‘letra morta‘ do que aprovaram. Esta situação testemunha com clareza porque é que Portugal continua a ser um país que exclui as Pessoas com deficiência e continue a ser, quando comparado com a maioria dos países da União Europeia, um PÁRIA.


O Instituto Nacional para a Reabilitação, tem assinalado esta data com regularidade e este ano celebrou este Dia na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. Dar “visibilidade às capacidades e ao empowerment das pessoas com deficiência”, foi o tema deste ano.




Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com

December 1, 2015

2.270 TONELADAS na Loja


Foram recolhidas 2.270 toneladas de alimentos durante a última campanha realizada pelo Banco Alimentar. Estiveram envolvidos mais de 42 mil voluntários em diversos super e hipermercados espalhos pelo país.

Até dia 6 de dezembro ainda pode contribuir através da campanha Alimente esta Ideia, uma plataforma na Internet disponibilizada pelos bancos alimentares para a angariação de produtos alimentares. O objetivo é dar a todos aqueles que não tiveram a oportunidade de ir às compras a um dos muitos super e hipermercados espalhados pelo país, a possibilidade de serem solidários. Uma forma ACESSÍVEL de chegar a muita gente.





A atividade dos Bancos Alimentares Contra a Fome prolonga-se ao longo de todo o ano. Em 2014, estas instituições distribuíram um total de 29.630 toneladas de alimentos o que tem um valor estimado superior a 41.482 milhões de euros, ou seja, um movimento médio de 118 toneladas por dia útil.


Plataforma online: www.alimentestaideia.net




Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com

November 24, 2015

Pergunte…


(…) por vezes as pessoas estão muito distraídas e não me vêm (…) muitas pessoas não entendem porque é que eu não as percebo (…) eu tento não deixar que as minhas incapacidades perturbem o meu caminho (…) conseguem imaginar o que acontece quando não se vê ou quando não se ouve (…) eu tento ser independente. 





3:28 Minutos para aumentar a sua consciencialização 
relativamente à deficiência sensorial






Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com

November 18, 2015

uberASSIST


A Uber tem um serviço especializado para pessoas com Mobilidade Reduzida que já começou a disponibilizar. Não ainda em Portugal. É um serviço de excelência para todos aqueles que tenham necessidades especiais e que necessitem de se deslocar na cidade recorrendo a um serviço de transporte de passageiros. 

De acordo com a organização, os motoristas têm competências para gerir a maioria das situações que lhes serão colocadas por estes cidadãos com necessidades especiais, que vão desde a segurança e manuseamento dos equipamentos, como cadeiras de rodas, andarilhos, etc, até ao modo mais adequado de como assistir pessoalmente estes passageiros.

O uberASSIST permite ainda que cada passageiro possa selecionar o motorista que considerar mais conveniente, uma vez que o conhecimento mútuo, ao longo do tempo, vai certamente criar ligações emocionais mais fortes com uns do que com outros. As suas deslocações vão de facto ser mais simples.





Saiba porque é que este serviço é em geral, ou seja, para todos, 
um serviço de excelência




“Se pudesse andar sempre de Uber, andava. Só o facto de termos uma solução eficiente, confortável e à medida, retira-nos o 99% do stress” 




Nota: a Associação Nacional dos Transportes em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) interpôs uma providência cautelar contra a Uber Portugal, para que esta fosse impedida de operar. Um pouco por toda a Europa, são várias as batalhas judiciais que estão a decorrer. Entretanto o Supremo Tribunal de Londres diz que a Uber é legal. Em Portugal, a Autoridade da Concorrência mostrou-se disponível para ajudar a regularizar atividades da economia partilhada, das quais a Uber é um dos exemplos mais mediáticos dos últimos meses.




Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com

November 15, 2015

20:20 : 13 de NOV de 2015



Terror e caos em Paris, divididos em sete ataques cobardes. A cidade ficou sitiada pelo terrorismo. Nada existe sem liberdade e segurança. “O Mundo já esteve em guerra em muitos momentos. O problema é que, nesta, o conceito de invasão foi substituído pelo da doença endógena. O vírus está cá dentro e a epidemia grassa"





Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com

November 12, 2015

Cidades ‘EXCLUSIVAS’


Muitas cidades, entre as quais Lisboa, não foram pensadas para acolher pessoas idosas ou pessoas com falta de mobilidade permanente ou temporária, faltando pavimentos razoáveis, proteção em relação aos automóveis, passadeiras e zonas com limite de velocidade, defende o arquiteto António Batista Coelho.


A culpa é de todos mas há uns, que pelas suas atividades profissionais, têm tido e continuam a ter responsabilidades acrescidas. A cidade deve ser um espaço para todos e não devemos segmentar os problemas como se estes só dissessem respeito às Pessoas com Mobilidade Reduzida, aos mais Idosos ou a qualquer outro grupo da população. A cidade deve ser um espaço INCLUSIVO.

O discurso arquitetónico não consegue alinhar-se com as necessidades sociais e éticas da cidade contemporânea. Com a relação tensa entre a teoria e a prática, a irrelevância social no design é onipresente. Os arquitetos que praticam a profissão veem frequentemente a teoria como esotérica e não-transferível, enquanto muitos teóricos não manifestam as suas ideias na realidade através da construção. 

Como disse Albert Einstein: Se os factos não encaixam na teoria, mudem-se os factos. Para se entender melhor este pensamento de Einstein, quando enquadrado na temática da acessibilidade, seria verdadeiramente interessante que o ‘Arquiteto’ calçasse os sapatos dos cidadãos ou se sentasse numa cadeira de rodas e tentasse ver por si mesmo se os factos se encaixavam na prática arquitetónica dominante.


Os mais IDOSOS e em geral os cidadãos com Mobilidade Reduzida são aqueles que têm de facto mais dificuldades para se deslocarem e, nesse sentido, necessitam de condições mais confortáveis do que aqueles que têm a possibilidade de recorrer em plenitude às suas faculdades motoras. 

Há legislação aprovada para garantir este direito básico. 
Há responsabilidades a apurar.

Segundo as Nações Unidas, a mobilidade das pessoas para as cidades está a fazer-se a um ritmo recorde, «sendo expectável que seis em cada dez pessoas no mundo resida em áreas urbanas em 2030» e o número está a aumentar mais rapidamente nos meios urbanos dos países em desenvolvimento.




Temos um bom clima para estar na rua e os mais idosos e muitos deficientes deveriam estar na rua sempre que podem. Temos de criar o máximo de condições para que todas as pessoas possam usufruir do ‘passear pela cidade’. Se isso for feito, o espaço público na área urbana será usado de uma forma mais estimulante e encarado como um prolongamento da casa.


Relacionado:




Fonte: Com base numa notícia do Diário Digital



Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com

November 8, 2015

1093Km Horizontais…



BICICLETA e os CICLISTAS podem muito bem vir a ser os melhores ‘amigos’ das pessoas com deficiência motora. Em Lisboa é possível criar 1098Km de uma rede de ciclovias horizontais, ligando as principais zonas da cidade, com uma inclinação entre 0 e 4%. Significa que 63% das ruas da cidade têm menos de 4% de inclinação.

Lisboa é um exemplo paradigmático relativamente à falta de acessibilidades pedonais adequadas a um centro urbano. As pessoas, de uma forma geral, têm muita dificuldade em andar em Lisboa sem encontrarem obstáculos intransponíveis, seja pelo tipo de piso empedrado, seja devido aos carros parqueados em cima dos passeios, seja pelo mobiliário urbano como postes de iluminação, placards de publicidade, caixotes de recolha de lixo, ecopontos, balizadores de trânsito, etc., ou mesmo devido à inclinação inerente à cidade das 7 colinas. Quer a pé, quer de bicicleta, esta dificuldade é obvia e tem que ser solucionada.

O crescente uso da bicicleta pode ser o ‘trigger’ para que se encontrem novas soluções. Essas soluções têm que ser inclusivas e devem ter em conta, para além dos ciclistas, todas as pessoas que se desloquem a pé. Aqui há a necessidade de incluir todos aqueles que têm mobilidade reduzida, seja ela temporária ou permanente. Um cidadão que necessite de uma cadeira de rodas para se deslocar,não tem hoje qualquer possibilidade de andar em Lisboa.

Sabemos que a bicicleta é um meio de transporte alternativo, viável e promotor de Felicidade Individual e Coletiva, para além de promover a Sustentabilidade Económica e Ambiental da Sociedade.



O Projeto Lisboa Horizontal visa criar condições físicas e exequíveis que promovam a circulação de bicicletas na cidade, numa ótica utilitária e pragmática, abrangendo públicos-alvo como por exemplo os moradores, os que vêm trabalhar para a cidade, os estudantes, os turistas que por cá passeiam, etc. 


Será que é possível generalizar o uso da bicicleta como um meio alternativo viável e será que podemos compatibilizar as ciclovias com as necessidades das pessoas com Mobilidade Reduzida? A resposta deve ser SIM.




Saiba mais em Lisboa Horizontal

Para o Minuto Acessível, 
deixe aqui o seu contributo: minuto.acessivel@gmail.com